Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

26.Fev.08

prós e contras

O programa Prós e Contras de ontem da RTP1 pôs frente a frente a Ministra da Educação e os Professores.

Ao lado da Ministra estava João Formosinho que se enleou no seu próprio discurso teórico e não serviu de nada na defesa da responsável máxima pela educação.

Desguarnecida a defesa, a Ministra enredou-se na tentativa gorada de explicar aos portugueses aquilo que chamou de três equívocos. As explicações não convenceram como se pôde perceber pelas intervenções esclarecidas e frontais de Fernanda Velez , Ludgero Leote , Mário Nogueira e João Dias da Silva.

A ministra desarmada de argumentos convincentes refugiou-se no exemplo das aulas de substituição que, segundo ela, depois da contestação passaram a fazer parte da rotina das escolas. Foi nesta matéria que a ministra recebeu a primeira surpresa da noite. Mário Nogueira anunciou à ministra e ao país a existência de mais três sentenças favoráveis aos professores sobre as aula de substituição. A partir deste momento, todos os professores que deram aulas de substituição podem requerer o pagamento de horas extraordinárias.

A segunda surpresa tem que ver com a entrada de mais providências cautelares sobre a avaliação de desempenho dos professores o que faz suspender o processo.

De referir ainda a intervenção do professor Arsélio , vencedor do 1º concurso para professor do ano, que começou bem mas que terminou inconsequente.

Lamentável foi a intervenção do presidente do Conselho de Escolas. Nervoso e comprometido não deixou uma boa imagem do órgão a que preside.

O presidente da Confap, Albino Almeida,  fez o discurso da apologia das medidas ministeriais e perdeu o norte ao fazer apartes inconvenientes e desnecessários por pouco respeitadores das opiniões contrárias  ás suas.

Em defesa da ministra, surgiu também o autarca de Paredes, receptivo à implementação de um projecto piloto de avaliação dos professores.

Merece destaque também a intervenção do representante da movimento Promova.

Em resumo, o tema prometia mas ficou-se pelas promessas. Fátima Campos Ferreira tem aquele mau feitio de controlar e direccionar as intervenções dos convidados, cortando a palavra e dando ela própria as conclusões, protegendo muitas vezes a ministra num debate que esta perdeu claramente.