Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

09.Fev.08

municípios a tutelar docentes

Aqui está uma notícia que nem é boa nem má, porque será boa nos concelhos onde o executivo camarário tem demonstrado uma consciência da importância da educação (e não só) e obviamente será má para os docentes que leccionam em concelhos onde as questões pedagógicas são relegadas para última prioridade .

Que dizer de uma câmara, cujo executivo encara  as verbas utilizadas na cultura, por exemplo, como uma despesa e não como um investimento.

Porquê atribuir mais competências e responsabilidades a uma câmara, que  tudo faz para alienar as suas responsabilidades na gestão e tutela de equipamentos como o Teatro Rivoli, o Pavilhão Rosa Mota, o Mercado Ferreira Borges, por exemplo?.

Porquê atribuir mais responsabilidades a uma câmara, que não dispõe sequer da disponibilidade de fornecer terra para meia dúzia de vasos a uma escola?

Para quê atribuir mais responsabilidades a uma câmara, que deixa passar 15 anos sem proceder a qualquer obra de manutenção nos edifícios escolares, que já são da sua competência?

Por tudo isto, esta não me parece uma boa ideia. É mais uma vez o Ministério da Educação e o seu Governo a alijar responsabilidades numa matéria que é de interesse nacional.

 

07.Fev.08

ano do rato

Hoje teve início o novo ano lunar. Para os chineses este é o ano da renovação. O ano do rato é o primeiro de um ciclo de doze. Búfalo, Tigre, Lebre, Dragão, Serpente, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão e Porco completam o zodíaco chinês ao ritmo de um por ano.

No início de cada Festival da Primavera renovam-se as esperanças num dia-a-dia melhor.

Que seja um bom ano para todos nós.

06.Fev.08

sermão aos peixes

Maia014a

 

Há 400 anos nascia o Padre António Vieira autor de 203 sermões e 700 cartas sobre causas tão nobres como a defesa dos índios e dos judeus, a inveja nacional e a oposição à escravatura que lhe haviam de valer a perseguição pela Inquisição.

no seu sermão, provavelmente mais conhecido, o que santo António fez aos peixes denota ideias muito claras sobre a organização social do seu tempo, mas que se adaptam perfeitamente aos tempos modernos que vivemos:

"Não só vos comeis uns aos outros, senão que os grandes comem os pequenos. Se fora pelo contrário, era menos mal. Se os pequenos comeram os grandes, bastara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande.

05.Fev.08

livro branco / livro negro

Através do Livro Branco das Relações Laborais os patrões deste país pretendem uma profunda alteração da Lei do Trabalho, agilizando os mecanismos de despedimento de trabalhadores. Reclamam o direito de poderem despedir com o objectivo de reorganizar as empresas.

Trata-se tão sómente de aplicar o conceito mais badalado do momento: flexisegurança. Isso mesmo, flexível para o trabalhador, seguro para o patrão.

 

04.Fev.08

escarpa do pilar

De acordo com as notícias do Público de ontem, hoje devia ser aberto "um concurso de projectos para a requalificação da escarpa da Serra do Pilar" que devem incluir a sua monitorização, consolidação e requalificação paisagística além da drenagem das águas, dado tratar-se de uma "zona de reserva ecológica".

A questão é que esta escarpa, propriedade do Estado e em risco de derrocada (de acordo com um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, é habitada por 58 famílias que estão a ser notificadas para a abandonarem em troca de alojamento em casas sociais.

Exige-se que tudo seja feito no respeito da vida e dos interesses destas pessoas que vão deixar para trás toda uma vida passada na escarpa.  

03.Fev.08

bolhão: mercado do povo

Sou contra qualquer intervenção no mercado do bolhão que não respeite a traça arquitectónica do magnífico edifício, que preveja a demolição de qualquer das partes do mercado portuense e, sobretudo, que não tenha em consideração o seu passado e o dos inúmeros vendedores, alguns dos quais investiram ali toda uma vida.

Gostaria de referir o mercado de la boqueria de barcelona, ou o mercado central de budapeste, como dois bons exemplos de uma intervenção moderna em espaços com uma história e uma tradição que foram respeitadas.

As vendedoras do mercado do bolhão protestaram veemente contra o que consideram uma "calamidade" e manifestaram ter perfeita consciência do que é necessário fazer para combater os objectivos da multinacional TCN: 

 

"Dizem que é progresso

Que é grande evolução

Isto é mas é retrocesso

E cega destruição

Bolhão mercado do povo

Dos pregões e vendedeiras

Não mais um shopping novo

Sem couves, tripas e alheiras

E este marco do Porto

não deixemos destruir

O Bolhão não será morto

se nos soubermos unir."

 

Unamos as nossas vontades em defesa do mercado do povo.

02.Fev.08

o regicídio

Passaram ontem cem anos sobre o acontecimento em que o Rei D. Carlos e o Príncipe D. Luís Filipe foram assassinados no Terreiro do Paço, na capital do reino.

A Assembleia da República chumbou a proposta da direita de um voto de pesar com o argumento de que esse seria um voto contra a República. Concordo.

Não sou adepto da violência e portanto não me congratulo com este acto de Manoel Buiça e de Alfredo Costa, mas entendo que o facto se insere num clima de forte revolta e contestação popular que já se tinha manifestado aquando da revolta de 31 de Janeiro e que viria a culminar com a Implantação da República em 1910.

Repudio a tentativa de reabilitar a imagem de tiranos e ditadores.  

01.Fev.08

a duas velocidades

Este país circula a duas velocidades em muitas áreas da vida social, cultural e política. Só assim se compreende que o nascimento de crianças nas ambulâncias dos bombeiros continue a verificar-se cada vez em maior número enquanto, no Hospital de S. João no Porto inaugura um bloco de partos de "luxo" que incluem a hidroterapia, a musicoterapia, "chuveiros para relaxamento".

Obviamente não estou contra o fornecimento de um "serviço mais humanizado, mais familiar e com maior privacidade". Pelo contrário, gostaria que aquela mulher de Santa Marinha do Zêzere, Baião pudesse ter tido os seus filhos com a mesma qualidade, que é agora apresentada pelo HSJ, em vez de ver os seus filhos nascerem numa ambulância.

O que é mais confrangedor é continuar a assistir ao encerramento de maternidades e de urgências públicas em locais onde começam a abrir os mesmos serviços mas privados.  

01.Fev.08

mais do mesmo

Estou perfeitamente convencido de que a a recente remodelação governamental não passa de mera operação de cosmética desesperada num governo que já não tem salvação. É um facto que os dois ministros agora saneados andavam a pedi-las, como sói dizer-se. As confusões em que se envolveram já há muito exigia uma medida desta natureza. Mas não se pense que, pelo facto de termos caras novas na governação isso representa qualquer sinal de mudança ao nível das políticas. De resto isso mesmo já foi reiterado quer pelo primeiro-ministro, quer por, pelo menos, um dos novos ministros, com a agravante de que, no caso da ministra da saúde, as coisas terem começado da pior maneira. Primeiro é o processo resultante da gestão do Amadora-Sintra em que está envolvida; Segundo é as declarações proferidas antes de ser ministra, relativamente à forma como a reforma do sistema nacional de saúde estava a ser conduzida e a actual posição de fiel servidora das políticas deste governo nesta matéria.

O que é estranho neste processo, ou talvez não, é a escolha de Pires de Lima e de Correia de Campos para o tal lifting governamental. É que esta escolha poderia ter recaído perfeitamente em qualquer outro ministro. Uns pelo desacerto diário das suas declarações e actos, outros pelo sua manifesta insignificância: a Ministra da Educação há muito que justifica a remodelação e o Ministro do Ambiente também.

Para mim, este governo devia era demitir-se em bloco e o Presidente da República deveria convocar eleições antecipadas e o Povo deveria tomar juízo e não permitir, nunca mais, que autocratas possam governar este país nem que haja governos com maioria absoluta.

 

Pág. 3/3