Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

08.Mar.08

o dia dos professores

Foram seguramente mais de 85 mil (fala-se até em 100 mil) os manifestantes que participaram hoje em Lisboa na Marcha da Indignação.

Em causa estão as políticas educativas, a forma arrogante com que os responsáveis pela educação tratam os que deviam ser parceiros privilegiados: os professores, porque sem eles não há reforma que possa ser implementada.

A ministra e os seus secretários, espera-se, terão percebido desta vez que os professores não devem ser menosprezados, muito menos postos de lado, na definição do que é importante em educação.

Os professores pedem respeito e, com esta demonstração de força da razão dizem claramente a este governo que não admitem ser maltratados, e exigem e demissão da ministra. Mas o problema não se resolve com a saída deste ou daquele do ministério da educação. O problema resolve-se com uma alteração profunda das políticas, no entanto, esta equipa já não tem condições para se manter em funções.

A juntar-se aos milhares de manifestantes, registe-se o apoio expresso de várias associações de pais e encarregados de educação que não se revêem na CONFAP de Albino Almeida, pelo que me parece que Maria de Lurdes Rodrigues também está a perder os pais.

O nervosismo do governo é crescente como ficou demonstrado ontem em Chaves, quando o ministro Augusto Santos Silva tentou, com um discurso arrogante de quem pensa que é o paladino da democracia, desvalorizar o protesto de alguns docentes.

A ministra insiste num discurso de cassete onde enumera o aumento do alunos no sistema para justificar o descontentamento dos professores. Está fora da realidade. Fala de uma escola que só existe na cabeça dela. A sua teimosia não passa de uma obstinação e de um autismo que nada tem que ver com inteligência.

 

07.Mar.08

onde é que se apanha a carreira?

0738a


(Retirado, com a devida vénia, do excelente blogue Anterozoide.)

 

Amanhã todos os caminhos vão dar a Lisboa. Mais de 600 autocarros partirão de todos os pontos do país rumo ao Marquês do Pombal. São esperados mais de 60 mil participantes que, em silêncio, manifestarão a sua indignição contra as políticas educativas.

Preocupantes são, no entanto, os tiques pidescos de uma administração que não sabe como lidar com a força deste protesto e desesperadamente tenta intimidar os professores.

A resposta destes vai ser esclarecedora.

 

06.Mar.08

palavras para quê?

A indignação dos docentes continua a sentir-se nas ruas.

 

 

Cidade

Nº de docentes

Vila Real

2000

Barreiro e Moita

400

Chaves

500

Lamego

300

 

 

 

05.Mar.08

de apoio em apoio...

De apoio em apoio se vai construindo o maior protesto de sempre contra a política de um governo em Portugal. Depois das manifestações de apoio dos partidos da oposição, de algumas personalidades do partido do governo e das associações de pais e encarregados de educação ( que não se revêem na estratégia da Confap ), a luta dos docentes granjeou o apoio dos seus colegas do ensino superior.

O Ministério da Educação fica cada vez mais isolado e nem os apoio desesperado de Albino Almeida da Confap , verdadeiramente comprometido com este ministério, e o apoio hilariante de Valentim Loureiro conseguirão inverter o desfecho final deste braço de ferro.

04.Mar.08

a marcha não pára

Os docentes continuam a manifestar-se por todo o país. Ontem, em Faro, mais de três mil disseram ao país o quanto estão determinados a não aceitar a política autista de um ministério que perdeu os professores e, não tardará nada, vai perder também os pais e a população em geral.
Insistentemente se pede que a ministra vá embora. Em boa verdade, a ministra já não tem condições para a governação e, no meu ponto de vista, o que faria melhor era abandonar essa teimosia, que alguns insistem em chamar coragem, e apresentar a sua demissão. A ministra estaria a tomar a atitude mais acertada da sua vida como ministra da educação.
Todavia, todos sabemos que a sua substituição não irá adiantar nada, se não houver uma alteração objectiva das políticas educativas.
De qualquer forma, uma nova cara, ou melhor, três novas caras no ministério já seria uma reforma significativa.

03.Mar.08

lenços brancos

Os professores continuam, por toda a parte, a sair à rua para mostrar a sua indignação contra as políticas educativas deste governo, exigindo com a mostragem de lenços brancos a demissão dos responsáveis ministeriais.

As últimas manifestações mobilizaram cerca de 4000 docentes em Leiria e Évora. A estes juntar-se-ão outros tantos em diversos lugares deste país. Na próxima quarta-feira, dia 5, será em Chaves.

Ana Benavente, fez ouvir a sua voz criticando a forma como a ministra tem gerido todo o processo da gestão das escolas e da avaliação de desempenho dos docentes.

Entretanto e demonstrando a força imparável deste movimento, o PSD e o CDS/PP já tornaram público o seu apoio, facto histórico.

Por outro lado, Maria de Lurdes Rodrigues recolhe o apoio de Albino Almeida e, surpresa ou talvez não, do Major Valentim Loureiro. Diz-me com quem andas...

Pág. 3/3