Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

13.Nov.06

80% vs 11,74%

No final da greve da Função Pública, sindicatos e governo não se entendiam quanto à percentagem de trabalhadores que tinham aderido Apesar de não saber, até há pouco tempo, quantos funcionários públicos havia no sistema, o governo apressou-se a apresentar um número com o preciosismo de ir até às centésimas.

Confrontado com esta questão de quem terá ganho esta greve, se os sindicatos ou o governo, Marcelo Rebelo de Sousa tira um coelho da sua cartola e anuncia que ganharam os dois. Sim. Disse que os sindicatos ganharam na Rua, mas que o governo ganhou na Comunicação Social. Ou seja, se bem entendi, os sindicatos mostraram nas ruas, de forma inequívoca, a justeza da sua luta e o governo veio para a comunicação social tentar manipular a opinião pública.

De qualquer forma, esta divergência entre sindicatos e governo não é nova. Não me lembro de que tenha acontecido alguma vez ambas as partes estarem de acordo nessa matéria, fosse qual fosse o governo em exercício, já que os sindicatos se mantêm em acção há mais de 30 anos. Se calhar é por isso que Marcelo Rebelo de Sousa afirma, com toda a convicção, que João Proença, secretário-geral da UGT está obsoleto, e que Carvalho da Silva, secretário-geral da CGTP, está obsoleto.

Isto levanta-me uma questão pertinente. Se João Proença e Carvalho da Silva estão obsoletos, Marcelo Rebelo de Sousa está o quê? Senil?

Bem, mas voltando à questão dos números, a mim não me interessa minimamente se os números estão correctos ou não. E acho que há muitas pessoas a achar, como eu, que contra factos não há argumentos. A avaliar por esta imagem...

Porto_ 023