Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

15.Dez.06

mais circo

Governo admite passar gestão de escolas e professores para os municípios

 

"O Governo apresentou ontem às autarquias uma proposta de descentralização das competências para ser negociada durante o próximo ano. António Costa revela que a entrega da gestão das escolas do ensino básico e dos hospitais concelhios aos municípios são algumas das ideias que vão estar em cima da mesa. O objectivo é que a administração central apenas defina as redes e faça a regulação.

Porque é que o Governo quer pôr as câmaras a gerir a saúde, a educação e a acção social?

São áreas onde a proximidade do poder local lhe dá condições para realizar estas políticas de uma forma mais eficaz do que o Estado.

Isto significa pôr as câmaras a escolher os professores do ensino básico?

Significa que, do pré-escolar ao final do básico, deve progressivamente ser assumida pelas autarquias a responsabilidade, que já têm ao nível das instalações do primeiro ciclo e do pré-escolar. Devem estender-se ao segundo e ao terceiro ciclo relativamente à gestão e à componente dos recursos humanos. Esta é uma matéria que se deve discutir com as autarquias e com os sindicatos". (ler mais
aqui)
....
"Quais são as vantagens?"

No mínimo, digo eu, as escolas do 1ª Ciclo, no caso do Município do Porto, irão ter "MAIS CIRCO" (sem qualquer menosprezo pelos artistas circenses que me merecem todo o respeito).

É o que está a acontecer, nesta quadra de Natal. A Junta de Freguesia de Paranhos ofereceu uma ida ao circo, no dia 3 de Dezembro, no Coliseu. A Câmara Municipal do Porto, na pessoa do seu presidente, oferece uma nova ida ao circo, no próximo dia 20, no Parque da Cidade.

Rui Rio não perdeu a oportunidade de enviar os bilhetes agrafados a um cartão pessoal em que expressa os melhores cumprimentos. Assim, até parece que a oferta é do próprio presidente. Será?

Por outro lado, a Junta de Freguesia de Paranhos, a exemplo do que vem fazendo há alguns anos, entregou nas escolas os presentes de Natal para os alunos do 1º ciclo.

Foi comovente observar o cuidado em distinguirem as prendas segundo o género dos alunos: carrinhos, bolas e skates para os meninos, peluches, mochilas e bonecas para as meninas.

Claro que houve logo meninas que trocaram a mochila por um skate, meninos que trocaram o carrinho por um peluche, num forte desafio à mentalidade sexista da educação.

Bem sei que, para crianças desta idade, todos os brinquedos são importantes, mas numa altura em que tanto se fala do Plano Nacional de Leitura, bem podia a Junta ter dado uma contribuição inestimável, oferendo, por exemplo, alguns dos livros aconselhados pelas promotores do Plano.

Fica a ideia para o próximo ano.

Já agora e embora pareça não ter qualquer ligação com o que disse, gostaria de registar aqui que, a escola onde trabalho, anda a mendigar a colocação de um porteiro desde o início do ano lectivo. Diga-se que, com o movimento de carros que acedem à cantina que produz refeições para mais 8 escolas, para além do movimento de professores, pais e alunos, desde as 8h 30 m até às 18h 00 m, esta é uma questão de extrema urgência tendo em vista a segurança de todos que utilizam a escola.

Mas há prioridades que nunca iremos compreender.