Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

"à espera de godot"

"... é uma coisa que não é, mas faz de conta que é para ver como seria se fosse."

22.Out.07

godot já chegou...

...

MENINO: - (fora de cena) Desculpe!
                    Estragón detém-se. Olham ambos para de onde vem a voz.

ESTRAGON: - Lá vamos nós outra vez..

VLADIMIR: - Aproxima-te, meu filho.

                      Entra o Menino, timidamente. Detém-se.

MENINO: - Senhor Alberto...?

VLADIMIR: - Sim.

ESTRAGON: - O que é que tu queres?

VLADIMIR: - Aproxima-te.

                      O Menino não mexe.

ESTRAGON: - (autoritário) Então, não ouves o que te dizem?

                        O Menino aproxima-se timidamente, detém-e.

VLADIMIR: - O que é?

MENINO: - O Sr. Godot...

VLADIMIR: - Claro... (Pausa.) Aproxima-te.

ESTRAGON: - (violento) Tu queres fazer o favor de te aproximar! (O Menino avança timidamente.) Porque é que demoraste tanto tempo?

VLADIMIR: - Tens um recado do Sr. Godot?

MENINO: - Tenho.

VLADIMIR: - E então o que é?

ESTRAGON: - Porque é que demoraste tanto tempo?

                        O Menino olha alternadamente para cada um deles, sem saber o que responder.

VLADIMIR: - (para Estragon) Deixa-o em paz.

ESTRAGON: - (violento) Deixa-me tu em paz! (Avançando para o Menino.) Fazes ideia de que horas são?

MENINO: - (recuando) A culpa não é minha.

ESTRAGON: - Então de quem é? É minha?

MENINO: - E u estava com medo.

ESTRAGON: - Medo de quê? De nós? (Pausa.) Responde!

VLADIMIR: - Já percebi, teve medo dos outros.

ESTRAGON: - Há quanto tempo é que estás aqui?

MENINO: - Há um bom bocado.

VLADIMIR: - Tiveste medo do chicote.

MENINO: - Tive.

VLADIMIR: - Dos berros.

MENINO: - Sim.

VLADIMIR: - Dos dois homens grandes.

MENINO: - Sim.

VLADIMIR: - Conhece-los?

MENINO: - Não.

VLADIMIR: - Tu ésa natural daqui? (Silêncio.) És daqui?

MENINO: - Sou.

ESTRAGON: - Isto é tudo uma data de mentiras. (Sacudindo o Menino pelo braço.) Diz-nos a verdade.

MENINO: - (tremendo) Mas essa é a verdade!

VLADIMIR: - És capaz de o deixar em paz! O que é que se passa consigo? (Estragon solta o Menino, afasta-se, cobrindo a cara com as mãos. Vladimir e o Menino observam-no. Estragon deixa cair as mãos, a cara mostra perturbação.) O que é que se passa consigo?

ESTRAGON: -Sou infeliz.

VLADIMIR: - Não me digas! Desde quando?

ESTRAGON: - Já me esqueci.

VLADIMIR: - É extraordinário as partidas que a memória nos prega! (Estragon tenta falar, desiste, coxeia até ao seu lugar, senta-se e começa a descalçar as botas. Para o Meniono.) Então?

MENINO: - O Sr. Godot ---

VLADIMIR: - Não é a primeira vez que te vejo, pois não?

MENINO: - Não sei.

VLADIMIR: - Não me conheces?

MENINO: - Não.

VLADIMIR: - Não estiveste cá ontem?

MENINO: - Não.

VLADIMIR: - É a primeira vez?

MENINO: - É.

                    Silêncio.

VLADIMIR: - Palavras, palavras. (Pausa.) Fala.

MENINO: - (apressado) O Sr. Godot disse-me para vos dizer que não vem esta noite mas que  vem amanhã sem falta.

                     Silêncio.

...

 Samuel Beckett - À espera de Godot - Livros Cotovia